Dr. Roberto Pascual


Súmula da Conferência:
Não é um relato simples de experiências, mas esta exposição visa tirar conclusões a partir de minhas experiências como tradutor, dramaturgo, diretor artístico do festival e membro do conselho editorial de uma revista, a Revista Galega de Teatro, que visa estabelecer uma ligação direta e uma influência sobre seu pensamento e ação de divulgação crítica de artes cênicas e também no sistema de cinema em Português, mas a partir de Galiza. Como professor, conheci duas edições de um projeto entre as escolas e teatros nacionais na Galiza e Portugal, chamada Proxecto NOS e tenho participado ativamente em projetos conjuntos entre Almada e festivais de Ribadavia ou no Teatro Municipal do Porto. Este ano, foi realizada uma co-produção entre o festival e do Escritório Teatro CCVF de Guimarães. Várias tarefas, circulações e colaborações entre a atividade estágio na Galiza e Portugal, mas ainda hoje, depois de muito trabalho feito pelas gerações anteriores, devemos manter a pergunta: por que é que o público ainda encontra dificuldades de superar a diversidade linguística?, por que é que não existe um relacionamento e parceria mais estável e habitual entre a Galiza e Portugal? Por que é que as instituições importantes como o Eixo Atlântico falharam no importante projeto entre Vigo e Porto, duas grandes cidades que poderiam aproveitar o seu potencial demográfico e logístico?
Comments